terça-feira, 1 de agosto de 2017

New York

Finalmente, após 1 ano de trabalho enquanto concursado, minhas primeiras férias. De 14 a 30 de Julho de 2017. Compramos voo American Airlines com antecedência, mas como era alta temporada, nem saiu lá tão barato. Além disso, compramos uns dólares a R$3,44, R$3,48 e R$3,43. Dólar alto também, mas viajar é preciso!

13.julho (5ª feira)
Dias antes peguei uma gripe daquelas de derrubar. Fiz o possível para melhorar, mas muitas atividades para cumprir em véspera de ausência. O jeito foi viajar meio adoentado mesmo. Voo saia 23h52.

14.julho (6ª feira)
O primeiro trecho do voo foi terrível. O banco mal abaixava. Parecia voo doméstico. Mas tudo bem. Era o voo mais barato que consegui. Me disseram que a AA estava em crise, após expulsar passageiro em voo com overbooking. Chegamos em Miami lá pelas 5h14. E saímos correndo, literalmente, pelo aeroporto, para pegar o próximo voo. Tivemos que primeiro pegar nossas bagagens, despachar de novo, correr para o embarque. Coisas da paranóia norte-americana. O próximo voo saiu 7h00. E chegamos no aeroporto de La Guardia, em NYC, umas 10h01. Sob chuva e um friozinho na cidade. Assim que pegamos nossas bagagens (apenas 1 bolsa com os presentes; além disso tínhamos nossas mochilinhas, com 2 mudas de roupa apenas), compramos o MetroPass de 1 semana por U$32,00. Pegamos um bus até o metro. Então metro até a 42st station (Times Square). Fui direto para o portão onde pega o bus para New Jersey. De lá, o nosso bus por U$3,25. Apenas 3 paradas e estávamos em Union City, onde já fui algumas vezes. Almoçamos ali mesmo, num restaurante na Bergenline ave. Restaurante peruano, por U$18,00 incluindo as gorjetas. Nesse dia, fiquei arriado em casa, só curtindo a companhia da família do meu irmão e a cama. Após a viagem mal dormida de avião, chuva e frio, a febre se apresentou e tive que ficar só repousando, tomando meu óleo de copaíba e andiroba. Mel e limão. Óleos essenciais.



15.julho (sábado)
Dia de cama. Só comendo e dormindo. Mas à tarde fomos dar uma voltinha ali pelo bairro e fomos ao Walgreens e ao ShopRite, fazer umas comprinhas para casa e também para eu mostrar pra Fernanda a variedade de produtos num supermercado norte-americano. Nem compramos tanta coisa assim. Mesmo assim, lá se foram uns U$200,00!!

16.julho (domingo)
Ainda resfriado, eu tinha meu compromisso com Don Baba, yogacharia autorizado do Kriya Yoga. Sempre o mesmo percurso: bus até Times Square por U$3,25. Já demos uma rápida voltinha ali, para a Fernanda se impressionar de dia com o lugar! Claro, um monte de gente fantasiada querendo tirar foto contigo. Dai tivemos que dar uma gorjeta pro Hulk e Minie. Dali, pegar metrô para qualquer ponto da cidade. Pegamos metro até o Central Park, num ponto chamado Strawberry Fields. É onde tem o memorial do John Lennon "imagine". O dia já estava quente, deixando pra trás a chuva e frio dos dias anteriores. Conversamos a respeito do Kriya Yoga ali mesmo. Foram momentos bem agradáveis. No início da tarde, saímos do Central Park e almoçamos num restaurante chinês qualquer, por U$6,50 para ambos. Aprendemos que os pratos eram muito grandes para nós dois, então sempre melhor só pedir 1 prato e dividir mesmo. Em seguida, passadinha na Apple Store, ver os brinquedinhos disponíveis. Dali, fomos direto para a Century 21, em frente ao World Trade Center. Nos perdemos em meio a tantas araras de roupas! A loja fecha 20h no domingo e ainda faltava comprar muita coisa. Já cansados, metro até Times Square, para desta vez apreciar a noite cheia de luzes. Jantamos num foodtruck mexicano, por U$10,00 cada. Meio caro, mas ali era Times Square. Voltamos quebrados pra casa.



17.julho (2ª feira)
Durante a manhã, a gente sempre acordava sem pressa. Ficava em família e saía tranquilamente, em geral perto do almoço. Alguns dias almoçamos em família mesmo. Aproveitar a companhia do irmão cunhada e duas sobrinhas lindas: Gigi e Leah. Saímos após o desjejum, direto pra Apple Store. Lá eles não aceitam cartões de crédito brasileiros. A solução pros brinquedinhos foi comprar um cartão de presente com uns vários dólares. E usar esse cartão para fazer a comprar. E mesmo comprando os brinquedos, tivemos que esperar uns dias até que chegassem em casa, pois quando se personaliza o brinquedo, eles enviam direto da fábrica para tua residência. Só sei que ao final deu tudo certo. Almoçamos num carrinho de rua, com comida árabe, por U$7,00 cada. Desta vez a marmita não era tão grande assim. Estava uma delícia! Na sequência, avistamos uma Century 21 ali mesmo, na 69 street. Entramos lá mesmo, para terminar de fazer umas comprar e trocar itens que adquirimos no dia anterior e nos arrependemos. Bom dos EUA é isso: sem problema nenhum para trocas e devoluções. Tem gente que abusa da honestidade. Em nosso caso, simplesmente trocamos o que compramos na correria e não curtimos. Era o meio da tarde e ainda cabia mais tempo para compras. Dali metrô que nos deixou próximo da TJ Maxx, na 18st e 7ave. E novamente, nos perdemos em meio a várias araras cheias de roupas fora de estação. Detalhe: o norte-americano é tão consumista que após 6 meses, a roupa já não é da estação. Melhor pra nós brasileiros, que mesmo comprando essa roupa ainda chegamos no Brasil um passo à frente do último lançamento, mas por preço de segunda linha! Novamente, voltamos pra casa quebrados. Jantar um lanchinho das coisas compradas no supermercado: tudo orgânico, sem transgênicos, do bom e do melhor, por preços justos e acessíveis.



18.julho (3ª feira)
Finalmente, eu já estava melhor. Reservamos esse dia para estar apenas em família, já que finalmente tínhamos comprado cuecas, meias, camisetas, calças e essas coisas básicas! Após o almoço, fomos a um parque ali perto de casa, onde as minhas sobrinhas brincaram numa pracinha de águas. Em seguida, fomos ao RiteAid, uma farmácia que também tem tudo. E foi isso nosso dia em família.



19.julho (4ª feira) - The Mills at Jersey Gardens (X Woodbury commons)
A gente ainda não tinha comprado tudo o que queríamos. Um pouco antes da viagem, eu fiz cadastro no outlet Woodbury Commons, que uns anos atrás eu fui e comprei um monte de coisa. Comprei até o bilhete de ônibus ida e volta pelo Groupon. Mas, após ler comentários no Tripadvisor, vi que seria mais jogo eu ir para Jersey Gardens: 1) porque era mais perto pra mim. 2) porque não se paga taxas sobre as roupas. 3) porque tinha melhores preços. Foi o suficiente para eu devolver os bilhetes de bus e reembolso pleno do Groupon norte-americano. Ali mesmo pertinho de casa, na 31st e Bergenline ave, pegamos o 111, por U$3,80. Lá pelas 10h da manhã. Em 20 minutos chegou lá. Era um shopping, com várias lojas. Sim, tem um pouco menos de lojas que o Woodbury Commons, mas dava pra andar o shopping todo (tinha só 2 andares) e voltar em uma loja se quisesse. No Woodbury é tão grande que fica muito difícil voltar numa loja. Além disso, no Jersey Gardens tem uma praça de alimentação legalzinha e as lojas de fato têm bons desconto. DICA: se cadastrar nas lojas pelo website antes. Receber os descontos. E chegar nas lojas e usar tais descontos. Voltamos só após o fechamento, às 20h. Conseguimos ver quase todas as lojas. A verdade é que a gente tinha visto 1/4 do shopping até 17h (chegamos umas 10h30). Os demais 3/4 tivemos que ver correndo, nas 3h restantes! Foi uma verdadeira saga ver tudo correndo e comprar sem hesitar muito. Só me arrependi de não ter comprado um par de sapatos, que depois me custou achar.



20.julho (5ª feira)
Dia de passear um pouco por NYC. Após o almoço em família, fomos até a estátua da liberdade. DICA: se quiser subir nela, tem que reservar antes pelo site. A gente nem sabia disso, então nos contentamos apenas em tirar fotos por fora. O que já foi o suficiente. Dali, fomos para Forest Hills, em Queens, nos encontrar com Don Baba para meditação e mais conversas de Kriya Yoga. Foi bem legal esse dia.



21.julho (6ª feira)
Saímos após o desjejum de casa. Direto para Little Italy (é um monte de restaurante italiano) e Chinatown (cheio de lojas de importados falsificados, por preços realmente baixos. Lá compramos lembrancinhas pra todo mundo). Após andar bastante e entrar em mais lojas (já tínhamos comprado quase tudo que queríamos, mas sabe como é o consumismo: sempre tinha algo mais a ser comprado!), almoçamos num restaurante vietnamita, por U$20,00 para ambos. Comida bem gostosa. De tarde, caminhamos até a Brooklyn Bridge. E na volta, a última passadinha no Century 21, onde compramos nossas malas (U$59,00 a minha e U$69,00 da fernanda) e um par de óculos na super promoção imperdível. Novamente, voltamos pra casa quebrados de tanto andar.



22.julho (sábado)
Um dia importante para nossa religião. Porém decidimos priorizar as meditações com Don Baba. A manhã toda em família. Saímos após o almoço, direto pra loja da R.E.I., onde comprei um saco de dormir (U$69,00) e uma calça de mochileiro (U$60,00). Os itens mais caros da viagem. Na loja Paragon Sports acabei vendo um saco um pouco mais em conta, mas não muita coisa. Nessa segunda loja é tudo muito caro, mas as promoções são imbatíveis. À noite fomos pra Forest Hill e desta vez pegamos horário de pico, atraso do metrô, chuva. Foi uma saga chegar lá. Bem cansativo. Enfim, voltamos tarde pra casa e chegamos à conclusão que numa próxima, daremos prioridade à religião mesmo. Previamente eu tinha programado ir para o estado vizinho no sábado, cumprir meus deveres da religião. E no domingo visitar uma família de amigos de longuíssima data. Visitar a Mari, seu marido e filhos. Consideramos a família deles (irmãos e pais) como nossos parentes. Acabou que nem fomos lá nesta viagem.



23.julho (domingo)
Esse dia teria mais uma meditação, mas foi tão difícil ir e voltar no dia anterior, que decidimos simplesmente abolir esse plano. Fiz almoço pra turma toda: receita de peixe ao leite de coco com alcaparras. Uma delícia, modéstia a parte! À tarde, passeio em Union Square (com hippies, hare krishnas, mendigos, velhos jogando xadrês.. enfim, tudo quanto é tribo!) e visita a várias lojas de calçados. Não consegui achar meu sapato. Não desisti e deixei para outro dia. Deu tempo ainda de ir de novo na TJ Maxx trocar uma camisa que tinha ficado pequena. Voltamos pra casa nem tão quebrados, para jantar nossas comidinhas.



24.julho (2ª feira)
O frio voltou à cidade. Com chuva. Resolvemos sair após o desjejum e ir ao Metropolitan Museum os Art. Antes, na tradicional passadinha em Times Square (banheiro e água grátis no Hard Rock café), consegui meu sapato da Sketchers (U$52,00), com desconto por ter me cadastrado no site. Incrível! Mesmo nos pontos mais turísticos, foi possível fazer bons negócios. Antes de entrar no museu, comemos comida de rua. Novamente árabe (U$6,50 cada). Para entrar, eles sugerem U$20,00. É uma sugestão, não uma obrigação. Eu dei U$1,00 apenas. E ninguém nem te olha feio. Caminhamos horas lá dentro, até fechar 17h30. Novamente, faltava muita coisa pra ver e literalmente passamos correndo por várias seções. Ideal é um dia inteirinho para esse passeio. Na volta, passamos pelo lado de fora do Empire State Building e nas lojas por ali, como a Macy's, só para ver que tudo é mais caro ali e que teria que gastar horas e mais horas para conseguir uma boa oferta. Já com tudo comprado, nem perdemos tempo por ali. Apenas vimos que um cinto Gucci custava mais de U$300,00 e o vendedor ainda faz cara de sofisticado para quem pergunta o preço. Eu, claro, fiquei de olhos arregalados com o abuso!



25.julho (3ª feira)
Mais um dia para curtir apenas a família. De manhã, mais uma visita ao ShopRite, para compra de provisões (U$100,00). Almoçamos um franguinho assado. E para janta, as coxinas que a Fernanda fez.

26.julho (4ª feira)
Desjejum e almoço em casa. Saímos 14h30 a família toda, para o American Indian National Museum (grátis). Antes, tentativa de foto com o touro e a menininha de Wall Street, que sempre está abarrotado de gente! Em seguida, fila para o One World Observatory. Antes, circulada no 9/11 Memorial. Uns anos antes, tive que pagar. Agora era uma praça pública. A fila estava muito grande e a gente tinha que voltar para o ensaio do batizado das meninas. Desistimos e voltamos pra casa. Pontuais, às 20h estávamos na igreja para o ensaio.



27.julho (5ª feira) - One World Observatory X Top Of The Rock (Rockefeller Center)
Após o desjejum, fomos pra nossa missão de subir no One World Observatory. Custa U$37,00 por pessoa. Super vale a pena! O elevador é todo animado por computação. E lá em cima a visão é de 360º, em um ambiente fechado, porém todo cheio de janelas. Valeu bem mais a pena do que o Top of the Rock, no Rockefeller Center, onde fui na vez anterior. Neste segundo, apesar de ser uma terraça aberta, achei que a visão não é tão boa quando o primeiro. Ao descer, já famintos, comemos no shopping ali em frente, no Brookfield. E à tarde, fomos pro Natural History Museum, onde novamente eles pedem uma contribuição, mas que eu só paguei U$1,00. Novamente, muita coisa para ver e tínhamos apenas 3h. Praticamente vimos mais da metade correndo! O legal foram as culturas antigas de vários continentes, os minérios e as ossadas de dinossauros. No fim da tarde, ainda deu pra ir pra TJ Maxx e Century 21, pras compras finalíssimas. À noite, meu irmão Bruno se juntou a nós nesse encontro familiar.


video

28.julho (6ª feira)
Mais um dia de estar somente em família. Afinal, já tinha feito quase todas as comprar que queríamos. E também satisfeito com os lugares visitados nessa viagens. Muitos outros lugares faltaram visitar, mas sei que NYC é um destino frequente. Após desjejum e almoço farto em família (almôndegas de salsicha, com molho de camarão), resolvemos eu, Bruno, Leonardo e a pequena Gigi ir para Manhattan procurar uma capa protetora de notebook. Dias antes, compramos vários apetrechos pela Amazon. Muitos chegaram bem e era conforme compramos. Mas somente este deu errado. Não encaixou no modelo que tínhamos. Devolvi. Claro, ressarciram tudinho. Só que não daria tempo suficiente para comprar outro online. Então fomos em busca de lojas físicas. Andamos bastante e não achamos. Na única loja que tinha, o preço era um absurdo de caro. Deixamos pra lá. Valeu pelo passeio. Posteriormente, eu compraria pela Aliexpress mesmo. Nessa noite, comemos pizza. Sendo uma sem glúten!! Era o dobro do preço, mas tudo bem (U$16,00).


video

29.julho (sábado)
Finalmente, o grande dia. O motivo principal da viagem. Além de comprinhas, passeios e estadia com a família, o momento central: ser padrinhos de batizado da sobrinha. Padrinho e madrinha da agora afilhada Leah Bella. Tomamos um desjejum bem reforçado, com direito a bacon, ovos e todas aquelas porcalhadas norte-americanas. A ideia de meu irmão era nem almoçar, pois daria muito trabalho e atrapalharia a hora de ir à igreja pro batizado, que era 14h. Claro, eu comi uma bela salada de frutas e barrinhas antes de sair, pois independente deu comer um bom desjejum, na hora do almoço vou sentir fome. Fomos à igreja e tudo correu bem. Tadinha da Leah, ficou chorando. Eu sabia que era de fome. Dei uma barrinha com pedaços de chocolate e logo ela parou de choramingar! Em seguida, meu irmão convidou todos pra almoçar num restaurante ali perto. Já era entre 16h e 17h. Num lugar chamado Casa di Napoli. Comida bem boa. A família brasileira e a família mexicana da Elizabeth (sua mãe e irmão). À noite, ainda comi mais alguma coisa em casa (hummus e chips de milho). E todos assistimos luta de MMA ao vivo pela internet. Pronto. Hora da despedida. Na madrugada seguinte a gente viajaria super cedo.


30.julho (domingo)
Hora de voltar pra casa. Acordamos 5h25. Preparei tortilha com queijo vegano e saímos 6h00. Pegamos bus. Às 6h23 pegamos o metro linha A em direção ao aeroporto JFK. Às 7h15 estávamos lá no train interno (custa U$8,50). Às 8h00, já estávamos na área de embarque (já feito despacho de nossas malas - 1 cada um). Ali comemos nosso desjejum. Compramos também um suco de laranja por U$5,00. Caro, mas é preço de aeroporto. Voo só saiu 11h15 para Miami. Achei muito melhor sair bem cedo, sem riscos de trânsito ou qualquer tipo de imprevistos. Chegou 13h50. Já famintos, almoçamos ali mesmo no aeroporto, por U$10,00 cada. Um preço padrão. E o famoso sorvete da Hagen Dasz, por U$6,00. O voo para Manaus atrasou um pouco, saindo lá pelas 18h. Só sei que chegamos bem a nosso destino, após umas quase 5h de voo. Na quentura! Novamente, aviões bem ruinzinhos. Nem o voo internacional tinha regalias. Passamos tranquilamente pela migração e a família da Fernanda nos esperava para carona até em casa. Sempre que volto a umidade me deixa bem irritado. É banho e ar condicionado na hora!